O meu nome é Ray,e sou gay. Este será um blog sobre “as coisas vulgares que há na vida”. Na minha vida! É um blog para maiores de 18 anos. Para todos aqueles que tem alguma curiosidade sobre a vida e pensamento gay.
O que me dizes?
Por: Ray, em 21.07.10 às 16:57link do post | adicionar aos favoritos

18 De Julho de 2010

Fim de um fim-de-semana de bebedeira.

Desde quinta-feira que foi um desatino. Todos os dias uma!

Na quinta-feira por brincadeira no final da noite lá no bar, a patroa e eu decidimos ir para a discoteca cá do sítio. Como era a última noite académica, decidimos ir ver e desanuviar as ideias. Eram só putos que por lá estavam... Metemo-nos nas mínis e foi o que foi. Cheguei a casa já muito depois das 5 da manha e já a cambalear.

Na sexta-feira a culpa foi de um grupo que foi lá ao bar. Começaram a beber shots. Mas só bebiam se bebesse também... para não dar parte fraca, lá bebia também. Para o final o meu já era quase só sumo.... tinha que continuar a trabalhar.... mas ainda assim já cheguei alcoolicamente bem disposto a casa.

No sábado, o que começou por ser uma noite muito calma, acabou comigo a quase desesperar por um pouco de paz e tempo para fumar um cigarro.

Como o calor era muito atrás do balcão ia bebendo umas mínis.... e mais umas.... e ainda mais umas.... e como a maior parte estavam a ser pagas por clientes, muitos dos quais fazem parte do tal grupo que secretamente sabem  que sou gay, deixei-me ir na onda. Para acabar a noite em grande, mais uma vez eu a patroa fomos para a discoteca. Desta vez uma a que não costumamos ir, por passar maioritariamente musica latina.... foi mais uma vez o descalabro....

Felizmente em nenhum dos dias fiquei com ressaca. E sempre deu para esquecer um pouco a tristeza que trago comigo desde que o o H. acabou.

Mascarada mas não esquecida essa dor!

R.

 


O que me dizes?
Por: Ray, em 24.05.09 às 19:35link do post | adicionar aos favoritos

            23 De Maio de 2009

 

            Acabei de chegar da discoteca.

            Ao final da tarde saí de casa para ir comprar algo para o jantar. Antes de ir à mercearia, fui tomar um café na pastelaria do costume. A tal dos quais os donos são também um casal gay. Na conversa com eles, quando lhes disse que tinha que ir ás compras para o jantar, convidaram-me para jantar com eles ali na pastelaria. Aceitei. Gostei do gesto e da conversa durante o jantar.

            Embora me conheçam há pouco tempo já me tem como confidente. Falamos de alguns dos problemas que tem, da família etc. e tal.

            Eu devo ter cara de padre. Já não é a primeira vez que noto que á vez, ora um ora outro desabafam comigo. Ora de algumas frustrações que tem, ou do trabalho.... Acho que se está a criar uma bela amizade. Depois do jantar, fiquei por lá! Também não tinha nada para fazer em casa. Ali pelo menos me entretinha ou a falar ou a ler uma revista ou jornal.

            Já no final da noite, quase a fechar convidaram-me para ir à discoteca com eles. Apercebi-me que não seriamos só os três. Uma moça que trabalha lá também viria. Depois de falar com o meu nino, aceitei. Apenas porque não seriamos só eles e eu.

            Embora tenha prometido a mim mesmo que não o faria tão depressa, acabamos por ir para a horta da fonte. Até me diverti. Não ficamos muito tempo, mas foi engraçado. Embora haja flirt entre nós, nada que seja sério ou perigosamente real.

            Foi giro, mas faltou-me o essencial. O meu H. sentia-me estranho sem ele por perto. Mas é bom saber que a nossa relação permite noites como esta.

            R.

 


O que me dizes?
Por: Ray, em 13.04.09 às 20:14link do post | adicionar aos favoritos

      4 de Abril de 2009

 

      O meu nino começou as férias ontem e veio ter comigo hoje.

      Como estava a trabalhar veio directo para o bar. Foi engraçado. Logo que ele chegou, as babes também chegaram e meteram-se logo a jogar uno. E eu a trabalhar que nem um mouro e cheio de inveja de não estar também a jogar. Mas a vida é assim. Pelo menos podia ir olhando para ele. E com aqueles olhares de complice partilhavamos sentimentos e pensamentos sem nunca dizer uma palavra.

      Até mesmo quando eu ou ele queriamos que o outro apreciá-se uns gajos que estavam lá no bar, através do olhar conseguiamos comunicar isso. Foi engraçado.

      Depois do bar fechar, e como já há um tempo que as babes falavam nisso, decimos ir a uma discoteca numa cidade aqui perto. Fomos até à HORTA DA FONTE. E acabei por não me divertir muito.

      Quando lá chegamos aquilo estava mesmo cheio. Para mim até demais. Não gosto muito de apertos. Mas enfim, como o meu nino e as miudas estavam a gostar, também não ia estragar o ambiente.

      Depois de dar uma volta completa ao espaço, lá encontramos um sítio com algum espaço para estarmos. Não aguentei ali muito tempo, a música não me dizia nada, e fui para a pista de house, é mais a minha onda. Eles seguiram-me. Mas como a música começou a ficar muito pesada para eles, lá dei a mão a torcer e fui com eles para a pista de música mais comercial. Assim que passamos a porta, o meu nino perdeu a vergonha e começou logo a dançar. Acho que nunca o tinha visto dançar tanto.

      Como não estava virado para as danças ia vendo o que por ali andava. Alem da geração “cogumelos com açucar” havia lá cada gajo podre de bom.... deu bem para lavar as vistas.

      O serviço de bar na discoteca é que deixa muito a desejar. Mesmo muito mau!

      As gajas que estão a trás do balcão estão mais interessadas em dançar e mostrar as mamas que própriamente em servir bebidas. Valeu-me um dos barman que de facto sabia estar num balcão. Mas quando fui pagar é que me apercebi que o tal gajo numa das vezes que lhe pedi uma imperia registou no cartão uma gim. Passei-me mesmo.

      Como o cansanço apertava viemos para casa. Antes ainda fomos buscar umas bifanas para compor o estomago.

      Antes de adormeçer eu e o meu nino ainda tirámos o leite um ao outro.

      R.

 

Palavras-chave: , , , , ,

O que me dizes?
Por: Ray, em 05.01.09 às 03:54link do post | adicionar aos favoritos

1 de Janeiro de 2009

 

Ano novo.

Altura para contar como foi a passagem de ano.

Eu e o meu nino tivemos juntos, numa festa que nunca pensei acontecer.

A S. e as amigos do bar, como já o fizeram o ano passado, organizaram a passagem na casa de uma delas, e toda a semana andaram-me a perguntar se já tinha planos, e se não queria me juntar a eles, que poderia levar quem eu quizesse.

Como quem eu gostava de levar era o meu H. fui sempre dizendo que logo veria.

Lá falei com o meu nino, e como não tinhamos mais planos, decidimos ir. Mas ainda tinha que arranjar uma desculpa para aparecer lá em casa com um amigo.

Nenhum deles sabe que sou gay, e todos sabem que tenho alguem especial na minha vida, mas pensam que é uma menina.

Inventei então uma mentira. Que a tia da minha “nina” tinha falecido e que fiquei sem planos, e que o meu amigo H. também não tinha sitio para ir, claro que aceitaram, eles já conhecem o H. de algumas vezes que ele foi lá ao bar, e porque todos jogamos travian na mesma aliança.

Antes de irmos lá para o apartamento, logo que o meu nino chegou, fomos tomar café com o meu mano e cunhada. Ainda tivemos um bom bocado à conversa, até que tivemos que sair para ir comprar champanhe para não aparecer-mos de mãos a abanar. Como o mano também precisava de ir ás compras fomos os 4 para o modelo.

Quando chegamos ao estacionamento perto da casa do mano para os deixar, alguem se lembrou de ir beber mais umas minis. Tentei dizer que não, fiz sinal ao meu nino e disse-lhe que ainda tinha que ir ao shopping e só faltava 15m para fechar, mas ele não me ligou. Saimos todos do carro. Eles foram beber, e eu não.

Há anos que tenho a tradição de comprar hoje os boxers para usar nesta noite. Ou azuis ou vermelhos e dourados, sempre minutos antes da loja fechar. É uma daquelas coisas que gosto de fazer. Pode ser uma suprestição estúpida, mas é minha!

Este ano foi vencida por uma nini. O meu nino não foi comigo. Fiquei mesmo muito triste. Ele preferiu ir beber do que me fazer esta vontade.

Entramos no carro, comigo triste, fomos até casa para eu poder então vestir uns outros boxers azuis, demos um beijo e fomos para casa da S.

Fomos os primeiros a chegar. So estava a dona da casa e a irmã.

Metemos logo as mãos ao serviço. Eu na cozinha, e o meu nino a acender a lareira e a começar a assar os chouriços, farinheiras e tudo o mais.

Conforme o resto da malta foi chegando, fui apresentando o H. e além do nome proprio dizia também os nicks do travian, tinha a sua piada. No total eramos 9.

Enquanto acabavamos os petiscos ia-mos conversando e bebendo umas minis, e via o meu nino a conversar também e a divertir-se. Pelo menos parecia-me.

Lá nos sentamos à mesa. E começamos a enfardar. Salgados, queijos, enchidos, e muito marisco.

Conversa, piadas, alcool e muita comida. A esta altura já os pcs debitavam aquelas canções que gostamos e sabemos de cor!

Tao depressa estavamos de volta do camarão, como cantavamos em coro as canções do Paião e das Doce.

Como eramos todos amigos, com muitos gostos em comuns, a animação é garantida. Em especial eu e 3 delas somos loucos por musica portuguesa dos anos 80. sabemos uma quantidade infidavel delas de cor, e da mesma maneira que fizemos o ano passado, tivemos que passar em revista o maximo possivel, a cantar bem alto, algumas delas até coreografia já temos. A esta altura da noite o meu nino já estava com um bom andamento nas minis. Sinceramente não sabia se estava a divertir.

Foi sempre a abrir até perto da meia-noite. Só tivemos tempo para ir buscar o espumante, as colheres de pau para fazer barulho, e ir-mos para a varanda.

As rolhas saltaram, as passas foram comidas, e os beijos e abraços dados. Fiquei com uma vontade enorme de poder dar um grande beijo ao meu nino, mas ali não podia.

Passado as badaladas, e muito, muito champanhe, a S. o J. e o S. tiveram que sair para ir para ir abrir o bar. Nós ainda ficamos mais um pouco.

Ainda emburcamos mais umas garrafas de bolhinhas a ver os genéricos de desenhos animados (e a canta-los claro) da nossa infancia.

Chegou então a altura de sair-mos todos. Foi aí que me apercebi que o H. estava já bem bebido, e ainda tinha que conduzir.

Com a unica que não bebeu no carro a nossa frente, lá fomos devagar e por estradas onde provavelmente não apanhariamos policia. Felizmente chegamos a casa, deixamos o carro e fomos no carro dela até ao bar.

Quando lá chegamos estava cheio. Já lá estava o mano e cunhada também.

Mais umas quantas garrafas de champanhe, imperiais e shots. O H. teve que se sentar e mais nada bebeu toda a noite.

Por volta das 4 e pouco alguem se lembrou de irmos para a disco cá da cidade. Não me estava nada a apetecer, mas como o H. queria, la fui também. Foi engraçado ver o meu nino a dancar.

Saimos de lá já passava das 6, e viemos directos para casa. Quando voltei do wc já o H. dormia. Entrei na cama, e adormeci também abraçadinho a ele.

A nossa primeira passagem de ano juntos.

R.

 

Palavras-chave: , , , , , ,

O que me dizes?
Por: Ray, em 24.11.08 às 17:01link do post | adicionar aos favoritos

24 de Novembro de 2008

 

O meu nino deu-me um dos melhores sábados que me consigo lembrar!

Na sexta-feira não vei ter comigo. Saiu com os amigos dele e eu acabei por ir sair também sozinho. Fui tomar café ao bar. Mesmo que trabalhe lá sempre gostei do espaço como cliente. Não foi tão bom como estar com o H. mas acabei por espaireçer na mesma.

No sábado mesmo no final da tarde, quando ele estava a fechar o tasco, começamos a tentar chegar a um acordo sobre onde ir jantar. Como não dizia onde gostava de ir, ele só me mandou por todo bonito que ele decidia.

Assim fiz! Tomei banhoca, desfiz a barba, e vesti-me todo à betinho. Demorei-me tanto desta vez, que o H. chegou ainda eu me estava a acabar de vestir.

Ele nem subiu. Assim que entrei no carro ele arrancou logo. Ainda tive que apertar com ele um pouco para saber onde íamos.

Ele lembrou-se de um restaurante italiano numa cidade aqui vizinha. Adoro aquele restaurante. Já lá comi duas ou três vezes, mas já não ía lá faz anos. Adorei o gesto. Ele lembrou-se que eu tinha dito que o espaço e a comida era boa, e que um dia tinhamos que lá ir.

Jantamos mesmo muito bem. A comida continua optima. E para não variar o H. fartou-se de ver gente que ele conhecia. Afinal aquela cidade está a meia dúzia de km da terra dele.

Depois da janta, ele levou-me a um bar para tomar café. Isto ainda foi mais especial para mim. Fomos a um bar onde ele custuma ir mais o grupo dele. Gostei mesmo, mesmo muito deste gesto. Senti que de alguma forma ele está a dar-me a conhecer partes da vida dele que eu não conhecia, embora não estivesse lá nenhum dos amigos dele, o H. levou-me a um sítio de que gosta e eu não conhecia.

Depois desta paragem rumamos á minha cidade. Durante a tarde o meu mano mandou uma sms a perguntar se queriamos ir tomar um copo à noite. Mandei-lhe uma sms e ele respondeu que estavam em casa, para lá passar-mos e depois saímos. Assim fizemos.

Quando lá chegamos, eles tinham companhia. Dois casais amigos deles, que embora eu conhecesse o H. nem por isso. Vi que o meu nino não estava muito à vontade. E eu também não. O meu mano não disse da presença dos outros propositadamente para nós lá passarmos. Mas não gostei muito. Não por mim, afinal conheço-os e eles sabem que sou gay e estou á vontade, mas o H. não fica.  E não gosto de o pôr nestas situações. Embora todos metessem conversa com ele, vi que não estava muito bem.

Conversa para cá e para lá, e decimos sair todos. A primeira ideia era para ir a um bar que nem eu nem o meu homem gostamos. De facto detestamos. Eles iam para lá e nós para o bar gay. De repente alguem se lembrou de ir-mos antes para uma disco aqui na cidade. E assim foi. E ainda bem.

A disco não é nada de extraordinário, mas diverti-me muito. Chegamos ainda não estava muita gente e fomos para a area de fumadores e por aí ficamos o resto da noite.

A disco é de musica predominantemente latina. Até gosto.  E é frequentada essencialmente por gente da minha geração e até um pouco mais velhos. E andava lá cada homem.... minha nossa....e alguns até retribuiam os olhares.

Passado um pouco de lá estarmos chegou a D. amiga que há muito não via. Soube-me tão bem apresentar o H. como meu namorado.

Com esta noite o H. ficou a conhecer basicamente o grupo de amigos com quem custumo andar, e que sabe que sou gay. Gostei tanto de os ver a falar e a tentar conhecer melhor o meu namorado. E o H. a começar a abrir-se também! Ele fica sempre muito timido e calado ao pé de gente que não conhece, mas no sábado vi que ele estava a ganhar confiança com alguns. Quase todos são tão extrovertidos como eu, e estavam sempre a meter-se com o H.

A tesão estava a crescer e viemos para casa.

Falamos um pouco já sentados na cama, mas os corpos estavam a pedir e rápidamente nos estregamos um ao outro. Vim-me na boca dele enquanto lhe fazia um cunete. Estava mesmo cheio de tusa.

Amo-o muito, e este sábado marcou-me muito.

R.

 


Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


O que procuras?
 
Curiosos
Por aqui agora....
Fotos do blog
Na tua opinão:
Paradas Gay:
Sou contra.
Sou a favor.
Indiferente.
  
pollcode.com free polls
Quem por aqui andou:
eXTReMe Tracker
Blog Flux Directory