O meu nome é Ray,e sou gay. Este será um blog sobre “as coisas vulgares que há na vida”. Na minha vida! É um blog para maiores de 18 anos. Para todos aqueles que tem alguma curiosidade sobre a vida e pensamento gay.
O que me dizes?
Por: Ray, em 11.09.07 às 18:04link do post | adicionar aos favoritos

9 de Setembro de 2007 – A tourada da vida.

 

Ontem foi um dia em que me dirverti bastante.

Embora de ressaca, fui à tourada. Há anos que não ia a uma!

Já me tinha esquecido da emoção, arte, e espectáculo. Dentro e fora da arena, porque se é verdade que tudo revolve à volta dos touros, as pessoas que estavam assitir davam também para me manter entretido.

O que se passa nas bancadas é um assunto que é bom demais para deixar passar em branco.

Fiquei sentado no sector onde esta a banda, e o que ficava mesmo ao lado dos curros dos touros. O cheiro que de vez enquando chegava até mim, lembrava-me que de facto estava no ribatejo. Quando não era o cheiro a bosta de  touros, era o cheiro a suvaco dos homens que estavam a minha frente. Ambos demasiadamente intensos para o meu gosto. Havia no ar também um cheiro a charutos que intensificava o sabor daquela tarde de festa brava, e de doce “fare niente”.

Os casais de velhotes com os seus fatos domingeiros a cheirar a naftalina, so bimbos| barrões com o cheiro a fritos e gorduras, de roupas espanpanantes e fios de ouro a verem-se nas camisas abertas até aos umbigos, as pitas a representar a geração morangos com açucar, todas vestidas de igual, com aa belas das calças de cintura baixa e o  pneu de banha de fora, as tias “touros e fados” que baixaram das suas quintas, com chapeu de marialva e saias de amazona,  encharcadas em perfume, e de braços cheios de ramos de flores para mandar para os cavaleiros, faziam parte da panóplia de gente mais ou menos normal que enchiam as bancadas.

Para alimentar este circo andavam os senhores de bata de cores desgastadas pelo sol, preçarios pendurados ao pescoço (que isto são tempos modernos), a berrar os seus pregões que após bastante esfoço consegui compreender: Batata frita, queijadas de sintra, pipocas, gelados, cerveja, sumos e águas com preços estupidamente inflacionados. Mas um dia não são dias, e a crise económica em dias de festa não conta.

O cartel não era nada de extraordinário, cavaleiros muito novos, ainda em começo de carreira, mas deram para o gasto, se bem que de vez enquando pareciam meninos mimados, a querem mais dar nas vistas que se preocuparem na faena. Esforçavam-se demais para impressionar.

Os cavalos a desafiar o touro, e maneira que quase que dançam ao som do pasodoble, maravilham-me!

Os forcados, para mim os herois da festa! Sempre! Estar frente a um animal de quinhentos e muitos kilo, uma besta que facilmente os pode matar, e ainda assim o desafiar para investir. A confiança que o forcado da cara, coloca nos colegas impressiona-me também. Tem a vida dele na mão dos amigos. Literalmente!

Cheguei a conclusão que o que me atrai na tourada, é por ser acima de tudo um espetáculo de vida ou morte e de confiança. Os homens que estão na arena, inevitávelmente põe-se em perigo de vida. Confiam a sua vida num cavalo que consiga ser mais rapido e intelegente que o touro que os pressegue e investe, ou num grupo de amigos que os tirem dos cornos do touro.

Na vida temos que enfrentar touros, problemas, dúvidas, contratempos e indecisões, e contamos com os nossos cavalos, inteligência e intuição, quando isto falha e somos levados nos cornos do touro, esperamos ter um grupo de amigos para o parar e nos tirar de lá!

R.

 


O que me dizes?
Por: Ray, em 11.09.07 às 18:03link do post | adicionar aos favoritos

8 de Setembro de 2007 – in vino veritas.

 

            Apanhei um bela tosga ontem a noite. Hoje ando de ressaca! Nem o café nem ter visto o N. da pastelaria me tirou desta letargia.

            Ontem com tanto alcool, acho que no meio da conversa com o J.P. me assumi! Que se foda! É sempre assim, bebo a mais e a boca não para calada sobre coisas que devia ser mais contida...

            Já para me assuir, primeiro à minha cunhada e depois ao meu irmão, também foi preciso uns bons copos de gin|cola para sair toda a verdade pela boca fora. Nem sequer tinha planeado nem quando, nem como, apenas tinha a certeza que o tinha que fazer o quanto antes; afinal o meu irmão estava a ficar na minha casa, e tinha acesso ao pc, e embora todo o material porno tivesse bem escondido numa sub-pasta do windows, seria apenas uma questão de tempo até o meu segredo ser descoberto.

            E assim foi, bêbado que nem um caixo, enchi-me de coragem, e enconstado ao balcão da discoteca onde o meu irmão tava a servir copos, contei a minha cunhada. Surpresa fez-me ela ao dizer-me que já sabiam, o meu irmão havia visto uma foto que eu me esquecera de esconder(!). quando chegamos a casa, já no dia seguinte, o meu irmão perguntou-me se não tinha nada que lhe dizer. De facto foi ele que começou a conversa.  Abri a boca apenas para lhe confirmar aquilo que ele, primeiro desconfiava e depois soube! Aceitaram-me na boa!

            Ao grupo de amigos que tenho aqui na cidade, foi muito na mesma forma que lhes contei, uns copos, e já está! Houve uma noite, que até a uns amigos dos amigos que acabára de conhecer, contei! O mais engraçado é muitos não acreditam, pensam que estou a brincar e acabam por ir confirmar com a minha cunhada ou com o meu irmão! Acho que isso abona a meu favor. Não tenho tiques, nem outras atitudes que me denunciem, e por isso acho que ajuda também a ser melhor aceite a quem conto.

            O facto de já ter saído do armário, tem-me ajudado a ser mais eu, e não ter que andar sempre de máscara, ou ter que ir sozinho para os programas que fazemos como amigos. Já levo companhia do meu sindicato. Aliás muitos do meu gang, conheceram o N. uma das paixonetas que tive, aos quais ele se assumiu pelas primeiras vezes também.

Ainda me ríu ao lembrar o nervosismo do N. no dia, em que sem ser planeado, acabou por conhecer o meu irmão. Agiu da mesma forma que eu quando pela primeira vez fui apresentado como namorado do V. a un casal hetro amigo dele, foi assim também na segunda e terceira vez..... até que perceber que quem estava a ter preconceitos era eu. Tinha receio que me iam tratar e olhar de maneira estranha só por saber dos meus gostos.

 Mas estava bem enganado. Não senti que me tratassem diferente. Sempre me fizeram sentir muito à vontade.

Acho que não é necessário andar por aí com um rótulo na testa a dizer que sou gay, mas ainda bem que já tenho a coragem para dizer, a quem mereça a minha confiança, quem é o verdadeiro R.

Cheguei a um ponto que, se confrontado com a pergunta, a minha resposta vai ser a verdade.

R.

Palavras-chave: ,

O que me dizes?
Por: Ray, em 11.09.07 às 18:01link do post | adicionar aos favoritos

7 de Setembro de 2007 – fetishes e fantasias avulsas.

 

Resultado oficial: fodas-0 punhetas-3. ganha a equipa da casa!

Hoje à noite joga-se mais uma jornada! Anda não percebi se estou na primeira liga, ou numa qualquer divisão da distrital da inatel.

Ando de uma maneira que até de pensar em futebol, fico de pau feito. O facto de ver 23 gajos, quase todos com um corpo estupendo, ali com os paus a saltitar no campo, e depois pensar que vão para o duche todos juntos......quase que me babo.

Na proxima reencarnação quero vir de mosca só para dar forma a esta veia de voyerismo, fetiche quem nem sequer tenho.

            Não tenho grandes fetiches nem fantasias.

            De fetiches o maior será gajos peludos. Sou doido por gajos peludos! Peito, barriga, pernas, rabo e colhões, quanto mais peludos melhor, mais me excita!

Não é factor eliminatório, mas ajuda muito na escolha! Vejo um tufo de pelos, nem que seja de relançe, e fico de antena em pé, para ver se o gaydar acusa algo!

Gosto também de ver um gajo num belo boxer, seja dos largos, ou dos apertadinhos, gosto de apreciar! Homens casados também é uma daquelas......( tendo perfeita noção que sou o “outro”)

            Das fantasias, também nada de extraordinário, ou de original!

            Gajos de farda: gnr, psp, militares, ou de seguranças! Também de fato e gravata. Não tento entender porque, mas as fardas dão me pica. Esta já a realizei algumas vezes, mas procuro sempre a possibilidade de a voltar a viver. Já só falta o psp.

            Outra fantasia, também já realizada, é foder em sitios semi-publicos, locais que embora reservados, há o risco de alguem apareçer de repente. Já o fiz, em wcs públicos, não nos compartimentos fechados, mas ali mesmo, junto aos urinois; no carro mesmo durante o dias em parques de estacionamento, nas muralhas de Óbidos, na praia, e até numa travessa aqui na cidade! O receio de ser apanhado, faz o meu pau crescer uns cm extra de excitação!

            Contudo há uma que ainda me falta. Ser um cum pig! Estar rodeado de gajos e todos se virem para cima de mim! Gostava de exprimentar! Mas não sei se alguma vez o farei!

            Mas há fetiches e fantasias que me pertubam! Umas mais que outras, já participei e ajudei a concretizar algumas, outras recuso e recusarei sempre! Chuva dourada, escantologia, zoofilia, pedofilia, s&b, etc e tal, comigo não!

            Nas que entrei, não me excitaram nada por aí além. Recordo-me de uma com P. gnr, que quando sai do duche estava ele deitado já, ao entrar também para a cama, vejo que estava ele com tanga e meias de licra! Quase que perdi o pau, mas lá dei volta a situação, e despi aquelas peças femininas que nada me diziam, com os meus dentes, sabendo que isto ponha o P. em brasa! Outra meio estranha, foi ter feito fisting com o V. ele disse que queria exprimentar, e eu lá o ajudei.

De resto, desde banhos a dois, mãos e pés atados, fazerem-me um broche enquanto conduzia na auto-estrada, no pinhal, nas dunas da praia, sessões fotografadas e filmadas, enquanto fumavam, me pediam para os insultar, a três e a quatro, foder com a roupa vestida, simular uma violação, dupla pentração com um dildo e com outra piça, vir-me para cima de caras, bocas, peitos, mãos, paus, colhões, rabos, costas, oculos, boxers e t-shirs, já fiz quase de tudo!

            Não tenho tabus, e só mesmo aquelas coisas que sei que não me vão exitar mesmo, é que recuso. Mas tenho a abertura para falar de tudo.

            Acho que com consentimento e gosto mutuo, não há limites nas fantasias. Poderão ser muito úteis e até essenciais, para quebrar a monotonia e afirmar mais uma relação. Já os fetiches são de um foro muito privado. E acho que sem o limite bem deliniado poderão ser perigosos.

            Alinho mais facilmente alinho numa fantasia marada, que ser parte de um fetiche.

Nada tenho contra os tem, cada um vive sua sexualidade como bem o entende e pode.

R.


O que me dizes?
Por: Ray, em 11.09.07 às 17:58link do post | adicionar aos favoritos

6 de Setembro de 2007- A loucura da tesão.

 

Tenho andado com uma tesão maluca! Tudo me excita!

A maioria dos homens com que cruzo na rua, me fazem pensar em sexo.

Andam na cidade gajos muito bons! Passaram por mim agora uns 4 turistas, todos bons, mas um deles com uns calções mais curtos que alguns boxers meus, e tinha umas pernas(!!!!!!!!!!).....peludas e musculadas....até me deu uma tontura.....

No bar então tem sido um desatino. As vezes até me é dificil de concentrar.

A maior parte putos novos, mas estão a ir lá uns homens na casa dos trinta....que não tem explicação! Bons todos os dias....enquanto me pedem as bebidas, estou eu a imagina-los nús! Alguns até nem é preciso puxar muito pela cabeça.......... ou pelas        t-shirts justas que trazem, ou pelos calcões a mostrar a bela da perna, ou pela calça que revela sobremaneira a forma da arca do tesouro! Abençoadas levis 501!

Depois fico a remoer. O que aconteceria se eu me insinua-se? Quantos daqueles homens são do sindicato? Quantos já tiveram uma experiencia gay? E quantos tem curiosidade nisso? Sinceramente, alguns fazem o meu gaydar assinalar interresse. Ontem por ter bebido umas minis, e umas tequillas sunrise a mais, quase que me fazia ao M. no final do bar já ter fechado, ainda me agarrei a tempo e fui limpar o balcão, pela segunda vez!

Só me apetece é curtir e não tenho com quem. Foder numa de sem compromisso.

Tipo despejar e basar! Amanha devo ir curtir a 3, com um casal de almeirim, mas ando a ficar de tal maneira que até já ando a considerar dar uma volta nos crusing points aqui do burgo, mas por conhecer algumas das criaturas que por lá se pavoneiam, fico a pensar duas vezes e no entretanto esgalho uma.

            Ando mesmo numa de conhecer e foder gente nova. Quase todo marcha. No outro dia à noite, só não apalpei um bêbado na rua por estar em frente ao meu prédio e tinha medo que ele se mete-se aos berros.

            Mas acima de tudo dos gajos que ao nos cruzar-mos, ou mesmo lá no bar, os olhares se fixam, por tempo anormal, e me fazem levantar a curiosidade (e não só), e não são assim tão poucos.

Mas como é que se passa dos olhares insinuantes a algo mais? É que eu não tenho a coragem, para dar o passo. Pelo menos não num ambiente maioritáriamente hetro, embora confie no meu gaydar, nunca sei qual seria a reacção. Não haverá um livro que ensine como se faz? Seria certamente um best-seller!

R.

 

            Noticia triste: - morreu o Pavarotti! Espero que a Lara goste dele!

Palavras-chave: ,

O que me dizes?
Por: Ray, em 11.09.07 às 17:55link do post | adicionar aos favoritos

4 de Setembro de 2007 - Inércia

 

Há dias assim......

Em que por muito que tenha para pensar e dizer, a inércia ganha.

........

R.


Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30


O que procuras?
 
subscrever feeds